segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

O Caramba do Adeus...


O Caramba tinha uma finalidade mas, acima de tudo, tinha o meu gosto pelo Calvin&Hobbes devido às contradições entre ambos que, por vezes se assemelhavam às da minha vida.

Tenho um carinho especial por esta B.D. que agora não vem ao acaso mas...

Basta saber que a finalidade, verifico-o agora, ficou desvirtuada desse carinho e a promessa que tinha "feito a minha a mesma" ficou, como sempre "adiada"!

Como tal não restam muitas mais saídas "airosas" senão dá-lo como terminado!


Novas aventuras, em novos blogues ou então... não!

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O Caramba de tanto Riso...


Alice Vieira disse: “Aconteceu uma coisa terrível na Educação: tudo tem de ser divertido”.

E eu, que até nem gosto dos livros da Alice tenho de concordar. Vivemos numa época em que tudo tem de ser porreiro, fácil ou pelo menos, facilitado porque se não, como os próprios professores, corremos logo, num mar de lágrimas histéricos a dizer: “Estou cansada”, “vou-me reformar”, “estou farta disto”, “não me pagam para isto”...

Bem sei que todos temos o nosso momento de desespero diário mas, e o nosso momento "Kit Kat" onde fica? Aquele em que pensamos que temos uma data de sorte nas pequenas coisas que se nos vão oferecendo no dia a dia, gratuitas sem termos sequer de ficar a dever ao banco pelo empréstimo, o leasing e coisas "quejandas"?

Eu gostava de ter uma casa só minha. Mas, como não posso, aguento-me com a que tenho e tenho de fazer dela o mais "minha" possível".

Eu gostava de ter um carro mais porreiro. Mas este que tenho gasta pouco, encosto-o em qualquer lado e dá para o preciso. Chato é o seguro, os selos, a inspecção... Mas também, quanto mais caro for o carro, certamente que, mais caro seria o arranjo.

Gostava de trabalhar noutra área. Mas esta em que estou, tem-me dado felicidades, ainda que as últimas novidades tenham sido bastante tristes. Isso não me demove. Vou continuar à procura de outra coisa e por isso hoje já contactei com um amigo para ver se ainda esta semana marcamos uma entrevista.

Gostava de ganhar mais dinheiro. Mas que fazer? Há que me orientar com o que tenho e... a banana é sempre um bom suplemento alimentar!

Gostava que estas próximas férias fossem no estrangeiro mas, se forem na tenda fora daqui... já nem vai mal!

Gostava... Gostava... de muita coisa mas... nem tudo tem de ser divertido, Caramba!

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

O Caramba de tanta conversa...


O mesmo assunto, pessoas diferentes, conversas diferentes:

- Mas e então o que achas?
- Não acho nada! Tu é que sabes!
- Pois mas estou a querer saber a tua opinião. É tudo normal...
- Sei lá. Na tua vida já faz tempo que essa palavra caiu em desuso.
- Pronto a piada. Esquece lá. Na verdade as coisas também já estão resolvidas. Queria apenas uma opinião para não...
- Para saber se agiste bem?!
- Pois...
- Pois!
- Pois o quê?
- Pois continuo sem poder ajudar-te!
- Certo!
- Então e o trabalho?
- Quê?


- Isto vai mal... vai vai...
- Mas sabe que tudo está na sua mão.
- Ui então não sei... tá tão na minha mão que nem sei o que lhe diga.
- É verdade, se não pense: sentir-se-ia diferente?
- Ora que caramba! Sei lá. Para isso tinha de ter tomado uma decisão diferente.
- Mas antes, já não se sentia assim?
- Bem... mas eu ando a pagar-lhe para ser eu a responder a tudo o que lhe pergunto?


- Não percebo! Fazemos tudo para te ajudar!
- Não é cuscando a minha vida que me ajudam.
- Não andamos a cuscar. Fui apenas levar-te algum jantar.
- Mas não se entra assim na casa que não é vossa. Tenho chatices de adolescente em alturas de adulta. Não acho normal. Vou querer as chaves.
- Então toma-as que não as queremos para nada.
- É o que dizem sempre e depois... estou cansada.
- Cansada????? Mas tu nem fazes nada!!!!!
- Estou cansada disto. Destas discussões. Desta falta de respeito...
- Tudo bem. Nunca mais ponho os pés aí em casa. E cá em casa farás como entenderes.


- Tantas vezes que falámos... Tantas promessas feitas... Ainda ontem te perguntei se eras feliz, disseste que sim e hoje dizes que não.
- É o que eu tenho para te dar e tu aceitaste-o.
- Sim e aceitei também as promessas que adias vezes e vezes sem conta.
- Falemos então, insisto.
- Para quê? Passámos anos a falar.. nada muda. Nunca muda...
- Isto não é para se dizer assim.
- Pois... o que nós somos nunca muda. Quem nós somos muda constantemente. Tomaste o meu amor por garantido... não é!
- Os teus discursos são desajustados, repetitivos e inconsequentes. Deixo as chaves no correio.


- Estás triste...
- Sim...
- Coisas com os teus pais?
- Também...
- Hum... e das outras coisas que tu nunca falas não é?
- É! Mas não é por mal... só não o quero mesmo preocupar.
- Não me preocupas. Não contares mesmo não ajudando deixa-me preocupado, entendes?
- Entendo. Posso jantar consigo?
- Claro!
- Queres cá dormir?
- Quero... mas não devia.
- Dorme. Faz por mim. Fazias-me companhia e sempre íamos ao "Cabeleira" beber um tinto e comer uns torresmos... Há que aproveitar, agora que a tua tia não está cá!
- Amo-o muito sabia?
- Não precisas dizer, sempre que olho para ti sei disso. Anda cá, dá cá um abraço que parece-me que precisas.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

O Caramba é assim e tá a andar...


Um Mercedes foi totalmente coberto de cristais Swarovski, na faixa de Gaza andam a destruir tudo e há gente que não tem gás na Ucrânia... Acho que o Ronaldo quis estar ao mesmo tempo em Gaza, num bom carro e a "todo o gás"... Conclusão: chegou a Portugal, as estradas são más, deu desgraça.

Caramba!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O Caramba é quando a memória não dá mais!


Despertei com uma pequena dor de cabeça devido à insónia, em vez de ficar bem sossegado a descansar, a única coisa que me ocorreu foi olhar para as horas... Claro: Já passava da hora...

Acordei, queria tomar um banho bem quente para ao menos relaxar... mas acho que me esqueci de pagar a conta do gás e fiquei em águas de bacalhau... FRIAS... Passou-me logo a vontade... em compensação a dor de cabeça agudizou...

Fui à cozinha para comer algo e nem pão havia mas, reparei num pacote de leite: Porreiro, pensei, sempre se bebe... Afinal não, estava fora de validade...

Entrei no carro para ir o mais rapidamente para o trabalho e... não pegava, faltava-lhe gasolina, um pneu e acho, bateria... Comecei a achar que aquilo era coisa dos deuses ou então... os putos do bairro onde trabalho finalmente, tinham dado com a minha casa...

A pé e sem chapéu porque me esqueci dele... começa a chover e não há como dizer à dor que me perfura as costas e a cabeça para parar... Não parou: nem a dor, nem a chuva... nem o ter de andar o mais depressa possível...

Cheguei, por fim, ao trabalho e tive a sensação de que a quantidade de gente que me esperava devia ser para a porta do lado... Fiquei uns momentos meio escondido para ver se não me viam e esperando que entrassem para a outra instituição... afinal não...

O primeiro do dia, contou-me a sua vida toda com pormenores sortidos que bem dispensava... O segundo dissertou acerca dos gostos e dos presentes do Natal: "O que a nós achamos que é bom, normalmente não é. Aliás, geralmente os outros têm um gosto muito, mas muito duvidoso. Darem-me meias e assim, onde é que já se viu????"... Pois pensei eu... E olhei de novo para as caras, vendo que noutras alturas já se queixavam de outras coisas, que nunca nada estava bem para elas, enfim, que por muito que se lhes desse, achariam sempre que estavam a receber "cuecas e meias" e mereciam mais, muito mais!

E assim, o dia decorreu nesta velocidade alucinante e nesta psicologia de algibeira que ouvi sempre atento e fazendo um sorriso discreto.

No fundo tive a sensação que hoje mais valia ter ficado na cama (para variar) e que, como na maioria das vezes, a maioria das minhas ideias brilhantes (apaziguando uns e outros) tem o prazo de validade que não ultrapassa a ressaca do dia seguinte... Ou pelo menos os outros assim o "sentem"!

Se ao menos outros, tivessem também espaço na sua memoria para tudo não desaparecer como se de facto se tratasse da falta de conexão entre os neurónios cerebrais, talvez, o poema seguinte não fizesse sentido:

"Eu corro atrás da memória
De certas coisas passadas
Como de um conto de fadas,
De uma velha, velha história...

Tão longe do que hoje sou
Que nem sei se quem recorda
Foi aquele que as passou,
Ou se apenas as sonhou
E agora, súbito, acorda."

Francisco Bugalho
O Bugalho é do Caramba... também teve de acordar...

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

O Caramba Lem, lem, lem...


O Natal é-me estranho... Nunca me sinto bem no meio da loucura da normalidade!

Nunca sei o que me vão oferecer e tenho medo de não gostar e ter de fazer aquele sorriso estúpido de "Ahhhhhh... que giro...." e tenho pavor a ter de comprar coisas que não sei se fazem falta ou não às pessoas...

Não gosto dos doces de Natal e ultimamente o Natal não trás nada de bom, pelo contrário: são cada vez menos as pessoas com quem troco prendas, a paciência também já não é a mesma de sempre e depois, mesmo quando se compram só duas ou três coisas fica-se a olhar ad eternum para aquilo ali exposto e pensamos: não há rabanada (de vento) que faça com esta filhó da mãe de época passe mais depressa????

Não gosto mesmo desta altura, apenas gosto do peru... e se pudesse iria lá passar umas férias para descansar a vista e não ter a minha vagareza de sempre com os outros que por mim passam ao empurrão e com a raiva descomedida de terem de comprar porque sim...

Para presente, já eu sou um... e oh, oh aquilo que os meus pais se queixam deste presente... por vezes ainda se lhes chega a canela ao nariz e ainda há arroz...

Gosto de estar com o meu pequeno primo porque sinto que mal por mal com ele tanto se lhe dá, bacalhau, peru ou presentes: não come nenhum. Gosto do meu avô porque com ele também tanto se lhe dá: branco ou tinto... bebemos os dois. Não fazemos misturas porque há uns anos acabámos os dois enjoados com tanto... cocktail...

Mas tirando isso... o Natal é um Caramba! O tipo das barbas é um chato! E se era pra morrer numa cruz, mais valia não ter nascido... ou ressuscitado ou lá o que fosse...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

O Caramba é se tem Cholé!


O Bushio veio ter com o Platão Estica e resultado: a Madonna vai ter de pagar 55,7 milhões de euros ao ex-marido!

Pois é, podia resumir toda uma semana disparatada neste trocadilho mas, afinal não! Não, porque fiquei preocupado, para já:


Não sei se as botildas que ontem (quaaaaaaase) atingiram o B. Júnior (também conhecido por J.B. trocadilho também engraçado mas que fica por aqui...) eram novas, eram das nossas fábricas lá do norte ou sequer se cheiravam bem. Isto preocupa-me porquê???? Perguntam vocês... Porque se estavam limpas, o tipinho comprou-as de propósito para as atirar ao trombil do B. e o tipo estúpido que nem os cornos de uma qualquer vaca lá do seu rancho, não merecia sapatos novos.

Se fossem das nossas fábricas, lá metíamos nós o Zé Manel (estranhamente, também B.) em apuros, o Ésquilo tinha de pedir desculpas formais, eu ficava feliz, os putos que as coseram iam rir que nem perdidos e tínhamos marketing gratuito... as botas portuguesas passavam a ser fashion e ia ser a loucura neste Natal.

Se cheiravam a cholé, pena foi não acertar em cheio... Mas ao menos o Bushi(d)o viu que eram "(...) size number 10!"... ainda dá umas larachas, uns goles no JB (que agora no fim do mandato o pai já o deixa beber) e fez (mais uma) viagem à conta.

O Aristóteles (Onassis SÓ para os amigos) comunicou que as finanças recuaram e anularam multas aos contribuintes com recibos verdes (relativamente ao IVA) desde que estes entreguem as declarações em falta até finais de Janeiro de 2009... Graças a deus! Assim vamos poder ter ceia de Natal e poder comer, pelo menos, um rabo de bacalhau.

Continuaremos a descontar para o IRS, para a segurança social e a ficarmos logo "à cabeça" 400€ mais pobres... continuaremos sem direito a subsidio de desemprego, 13º mês ou subsídio de férias... também sem direito a férias porque: no Inverno há que trabalhar para aquecer e, no Verão há que trabalhar para manter o corpinho em forma e podermos ir ao domingo (sim ao domingo) para a Caparica... continuamos acima de tudo, a ser a força motriz deste país (rima mas não tem piada) porque, como não podemos estar doentes e não podemos faltar (mesmo com justificação médica), estamos sempre "no duro" 365 dias por ano... não podemos fazer greve, não podemos pedir aumentos, não podemos e/ou não temos direito a nada mas... agora, se ultrapassarmos os 12.000€ por ano, deixam-nos pagar as multas até Janeiro... Um many thanks, por tanta generosidade... E os reis magos, não trazem nada???? Nem um Red Bull???? É que assim sempre trabalhávamos um pouco mais...

Depois ainda tenho de ouvir como no outro dia um amigo que me dizia que um conhecido dele (que trabalhava... MUUUUUUIIITO) ganhava o triplo de mim só de ficar em casa a escrever baboseiras... Pensei eu: realmente, ele há filhos da mãe com muita sorte... e logo de seguida lembrei-me de algo que tinha lido há coisa de dois anos, de um autor pouco conhecido(Francesco Guicciardini):
"A boa sorte dos homens é muitas vezes o maior inimigo que possam ter, pois frequentemente os transforma em seres maus, levianos, insolentes. Porém, é mais difícil para um homem resistir a ela do que às adversidades." Nesse dia quase que consegui dormir descansado...

Last but not least... Madonna! Na época em que nos States o "B. rules" mudou-se para terras da Rainha, chagou o cabeção aos bifes, não sabia beber "pint`s" e pedir "lager`s" não era com ela, comprou uma enorme "cottage" e para não sobressair muito por entre os demais, casou com um bife... do lombo! Tiveram um rufia, que saía ao pai e adoptaram um conguito que... saia, também ao pai mas, preto e que não era dela e que depois lhes trouxe muita dor de cabeça e mais não sei o quê, enfim "adelante"... Ao primeiro acharam que ele podia ter um nome normal ao segundo, acharam que ele podia ser parte do corpo dos bailarinos da Banda da... Madonna!

Entretanto, ainda nos E.U.A., sai B. entra B. mas este último com mais parecenças com o último filho da dita cantora e ela não é de modas, não só volta para os States, como ainda por cima, larga as "jolas", a cabana, o marido e, não esperem, ela não largou nenhum dos filhos... Tá claro que, inicialmente e certamente que a pedido da Rainha (de Inglaterra e não da Pop), o Gay (raio de nome mais disparatado... talvez tenha sido ideia dele o Banda... hum...) ainda deu uma de gentleman e disse "Ah e tal quero lá saber do dinheiro dela, eu cá também tenho bués dele e coiso mais não sei quê e coisas quejandas! Portantos, xau!" mas, na verdade é que ao ouvir que ela teria de pagar os 55,7 milhões de euros (nada de dólares!) o tipo deixou-se logo de palhaçadas e já veio dizer "Passa pra cá o meu!".

Eu cá, concordo, pois tá claro!

Ora vem uma gaija casar para obter visto, depois já diz que quer mesmo morar com um tipo e ter filhos, endromina o gaijo, endromina os filhos e diz que aquilo é tudo uma Cabala contra ela e um tipo, tem de se aguentar à bomboca?!?!?! Nã senhor!

Olha agora que Caramba, ter de ainda aturar uma sanguessuga... Pra isso vinha pra Portugal ou ia até ao Iraque pra apanhar com a bota Botilde! Puffffff...